Principais alimentos acidificantes e como usar

Os alimentos acidificantes são aqueles que, quando digeridos no estômago, geram resíduos ácidos que aumentam a acidez metabólica, que é a acidez produzida no corpo e eliminada pela urina. Esta acidez produzida pela digestão, pode causar estresse oxidativo, aumentando o risco de doenças como gripe, diabetes ou obesidade. Por isso, o consumo destes alimentos deve ser moderado, compreendendo o total de 40% da dieta.

É importante lembrar que os alimentos acidificantes podem não ter necessariamente um pH ácido, sendo chamados de acidificantes por produzirem resíduos ácidos no organismo que diminuem o pH metabólico.

Apesar de não estar comprovado que o consumo de alimentos acidificantes modifica o pH do organismo, deve-se moderar o consumo deste tipo de alimentos, especialmente os refrigerantes e produtos industrializados, pois o excesso podem contribuir para o aparecimento de doenças como diabetes tipo 2, pressão alta ou câncer, por exemplo.

Principais alimentos acidificantes e como usar

Os principais alimentos acidificantes são: 

1. Cereais

Os cereais como arroz, cuscuz, trigo, milho, alfarroba, trigo sarraceno, aveia, centeio e gérmen de trigo ou os alimentos preparados com estes cereais, como pão, massa, bolos e rabanadas, são alimentos acidificantes, pois a sua digestão aumenta a produção de resíduos ácidos no organismo.

Apesar de serem importantes para uma alimentação equilibrada e saudável, estes alimentos devem ser consumidos com moderação, pois podem contribuir para o surgimento de doenças como diabetes, pressão alta ou câncer.

2. Leite e derivados

O leite e seus derivados como iogurte, queijo, nata ou creme de leite, são alimentos que também podem aumentar a produção de resíduos ácidos no organismo, o que pode desequilibrar o sistema imunológico e causar doenças como osteoporose e pressão alta. 

No entanto, a ingestão de leite e derivados é importante para a saúde dos ossos e músculos e, por isso, o consumo moderado destes alimentos deve ser mantido.

3. Proteína animal

Assim como os outros alimentos acidificantes, as proteínas animais como ovos, carnes, peixes, frutos do mar e frango, podem aumentar a acidez metabólica, o que pode levar à perda de massa muscular, osteoporose ou cálculos renais.

Quando em excesso, as proteínas animais podem aumentar a produção de resíduos ácidos no organismo. Por isso, a ingestão destes alimentos deve ser feita, mas em quantidades moderadas.

4. Leguminosas

As leguminosas como feijão, lentilha, grão de bico e soja são alimentos que ao serem digeridos também têm potencial para diminuir o pH e acidificar o organismo. 

Apesar de serem alimentos acidificantes, as leguminosas têm baixa quantidade de gordura e também são ricas em fibras, minerais e proteínas, sendo recomendado a sua ingestão diária, mas evitando-se excessos.

5. Alimentos industrializados

A maionese, o ketchup, o chocolate, o açúcar refinado, a margarina, a salsicha, a mortadela, os refrigerantes, os sucos industrializados e as bebidas alcoólicas são apenas alguns dos alimentos industrializados que aumentam a acidose metabólica do organismo.

Estes alimentos geralmente também contêm gordura saturada, açúcar e aditivos químicos que favorecem o surgimento de doenças como diabetes, obesidade e pressão alta e, por isso, seu consumo deve ser evitado.

Alimentos acidificantes vs alcalinizantes

Diferente dos acidificantes, os alimentos alcalinizantes, como as frutas, os vegetais, as gorduras vegetais e as ervas e especiarias, são aqueles que diminuem a produção dos resíduos ácidos que são eliminados pela urina. 

A ingestão excessiva de alimentos acidificantes pode aumentar a produção de resíduos ácidos que são liberados na urina, gerando estresse oxidativo e contribuindo para o aparecimento de doenças como câncer e pressão alta, por exemplo. 

Ainda não existe comprovação de que a ingestão de alimentos pode modificar o pH do organismo. Por isso, é importante ter uma consulta com um nutricionista, para que seja feita uma avaliação e um planejamento alimentar personalizado.

Como incluir os alimentos acidificantes na dieta

Os alimentos acidificantes também são importantes e podem ser incluídos na alimentação, porém, devem compreender apenas 40% da dieta, sendo que os restantes 60% dos alimentos devem ser alcalinizantes. Veja uma lista dos principais alimentos alcalinizantes.

Ao incluir alimentos ácidos, deve-se preferir aqueles que são naturais e pouco processados, como feijão, as lentilhas, o ovo, o iogurte ou o leite, já que são necessários para o organismo, enquanto os alimentos industrializados, como o açúcar refinado, molhos  e farinhas brancas devem ser evitados.

Uma dieta mais alcalina, rica em frutas, vegetais e alimentos naturais, contém vitaminas, minerais e antioxidantes que permitem que o organismo equilibre o pH metabólico, contribuindo para o fortalecimento do sistema imunológico e evitando o surgimento de doenças, como diabetes, osteoporose e obesidade. Saiba como fazer uma dieta alcalina.

Receitas saudáveis com alimentos acidificantes

Os alimentos acidificantes podem ser consumidos diariamente, mas com moderação e junto com alimentos alcalinizantes. Alguns exemplos de receitas que respeitam esse equilíbrio entre alcalinizantes e acidificantes são:

1. Omelete de vegetais

Principais alimentos acidificantes e como usar

Ingredientes:

  • 1 ovo;
  • 50 g de espinafre;
  • 30 g de cogumelos frescos;
  • 3 tomates cereja;
  • 1 colher de sopa de azeite extra virgem;
  • orégano e pimenta do reino à gosto.

Modo de preparo:

Bater o ovo em uma tigela. Adicionar os espinafres cortados em pedaços, os tomates, os cogumelos e os temperos, misturando com cuidado. Aquecer o azeite em uma frigideira e despejar a mistura. Deixar cozinhar em fogo baixo por até 2 minutos ou até o omelete soltar do fundo e virar do outro lado, cozinhando por mais 2 minutos. 

2. Salada de lentilha

Principais alimentos acidificantes e como usar

Ingredientes:

  • 50 g de lentilhas;
  • ¼ de tomate sem sementes, picado;
  • ¼ de pimentão amarelo sem sementes picado;
  • ¼ de pimentão verde sem sementes picado;
  • ¼ de cebola picada;
  • 1 colher de café de cebolinha picada;
  • 1 colher de café de salsa picada;
  • 1 colher de chá de azeite extra virgem;
  • 1 folha de louro;
  • Suco de limão à gosto;
  • Pimenta do reino à gosto.

Modo de preparo: 

Deixar as lentilhas de molho em água de um dia para o outro. Escorrer a água e cozinhar as lentilhas em água, com a folha de louro, por 2 minutos após iniciar a fervura. Escorrer a água e deixar as lentilhas amornar. Em uma tigela, colocar as lentilhas e os demais ingredientes, misturando bem e servir.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Karla S. Leal, Nutricionista - em Setembro de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Setembro de 2021.

Bibliografia

  • DOMENIG Stephan. A cura alcalina. Portugal: Vogais, 2015. 68-69.
  • DUARTE Alexandre, ALVES Duarte. A cura pela alimentação alcalina. 1º. Portugal: Lua de papel, 2018. 71-75.
  • HAMM Lee et al. Acid-Base Homeostasis. Clin J Am Soc Nephrol. 10. 45; 2232-2242, 2015
  • NUTRITOTAL. Alcalinização pode melhorar padrões de estresse oxidativo e inflamação. Disponível em: <https://nutritotal.com.br/pro/alcalinizacao-pode-melhorar-padroes-de-estresse-oxidativo-e-inflamacao/>. Acesso em 16 Jun 2021
  • SCHWALFENBERG, Gerry. The Alkaline Diet: Is There Evidence That an Alkaline pH Diet Benefits Health?. Journal of Environmental and Public Health. 1-7, 2012
  • HEALTHLINE. Tips for Limiting Acidic Foods. Disponível em: <https://www.healthline.com/nutrition/acidic-foods#low--acid-foods>. Acesso em 16 Jun 2021
  • SANGMA, Jelang; SUNEETHA, Jessie Suneetha; KUMARI, Anila. Concepts of acid alkaline diet. The Pharma Innovation Journal. 8. 4; 932-935, 2019
  • CARNAUBA, A, Renata et al. Diet-Induced Low-Grade Metabolic Acidosis and Clinical Outcomes: A Review. Nutrients. Vol.9. 538.ed; 1-16, 2017
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. DesmistifIcando DúvidaS sobre Alimentação e Nutrição. 2016. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/desmistificando_duvidas_sobre_alimenta%C3%A7%C3%A3o_nutricao.pdf>. Acesso em 16 Jun 2021
Mais sobre este assunto: