Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como é feita a cirurgia para câncer de intestino

A cirurgia é o principal tratamento indicado para o câncer de intestino, já que corresponde a uma forma mais rápida e eficaz para retirar a maior parte das células tumorais, podendo curar o câncer nos casos mais leves de grau 1 e 2, ou atrasar o seu desenvolvimento, nos casos mais graves.

O tipo de cirurgia utilizada depende da localização do câncer, do seu tipo, tamanho e do quanto ele se espalhou no organismo, podendo ser necessário retirar apenas um pequeno pedaço da parede do intestino ou remover uma porção inteira.

Em qualquer um dos tipos de cirurgia, o médico pode recomendar fazer outros tratamentos, como quimioterapia ou radioterapia, para eliminar células cancerígenas que não foram retiradas e evitar o desenvolvimento do tumor. Nos casos mais graves, em que as chances de cura são muito baixas, estes tratamento podem ainda servir para aliviar os sintomas. Veja mais detalhes sobre o tratamento para o câncer de intestino.

Como é feita a cirurgia para câncer de intestino

1. Cirurgia para câncer pouco desenvolvido

Quando o câncer ainda está em fases iniciais, o médico normalmente indica a realização de uma cirurgia mais simples, já que apenas uma pequena porção do intestino foi atingida, que é o caso dos pequenos pólipos malignos. Para fazer essa cirurgia, o médico utiliza um pequeno tubo, semelhante ao do exame de colonoscopia, e que possui em sua extremidade um instrumento capaz de retirar pedaços da parede do intestino.

Assim, o médico remove as células cancerígenas e algumas células saudáveis em torno da região afetada para garantir que o câncer não volte a se desenvolver. As células removidas durante a cirurgia são enviadas par ao laboratório para que sejam analisados.

Após a análise laboratorial, o médico avalia o grau de alteração das células malignas e avalia a necessidade de fazer uma nova cirurgia para retirar mais tecido.

Esta cirurgia é feita no consultório médico e, por isso, não é necessário utilizar qualquer tipo de anestesia, sendo que apenas pode ser utilizada uma leve sedação. Dessa forma, é possível voltar a casa no mesmo dia, não sendo preciso ficar internado.

2. Cirurgia para câncer desenvolvido

Quando o câncer já está em fase mais avançadas, a cirurgia é mais extensa e, por isso, é preciso que seja feita no hospital sob anestesia geral, sendo também necessário que a pessoa permaneça alguns dias internada antes de voltar para casa para que seja monitorada e para garantir que não existem complicações.

Em alguns casos, antes de realizar a cirurgia pode ser necessário que a pessoa faça sessões de quimioterapia ou de radioterapia para diminuir o tamanho do tumor e, assim, ser possível não retirar grandes partes do intestino.

De acordo com a extensão e gravidade do câncer de intestino, pode ser realizado dois tipos de cirurgia:

  • Cirurgia aberta, em que é feito um corte na barriga para remover uma porção maior do intestino;
  • Cirurgia por laparoscopia, em que são feitos pequenos furos na região abdominal por onde é inserido um dispositivo médico que é responsável por remover uma porção do intestino.

Após retirar a parte afetada, o cirurgião liga as duas partes do intestino, permitindo restabelecer o funcionamento do órgão. No entanto, nos casos em que é preciso remover uma parte muito grande do intestino ou a cirurgia é muito complicada, o médico pode ligar o intestino diretamente à pele, conhecido como ostomia, para permitir a recuperação do intestino antes de fazer a ligação das duas partes. Entenda o que é e como deve cuidar da ostomia.

Bibliografia >

  • NHS. Bowel cancer. Disponível em: <https://www.nhsinform.scot/illnesses-and-conditions/cancer/cancer-types-in-adults/bowel-cancer#about-bowel-cancer>. Acesso em 16 Abr 2020
  • AMERICAN CANCER SOCIETY. Treating Colorectal Cancer. Disponível em: <https://www.cancer.org/cancer/colon-rectal-cancer/treating.html>. Acesso em 20 Abr 2020
  • PROJETO DIRETRIZES AMB/CFM. Diagnóstico, Estadiamento e Tratamento Cirúrgico e Multidisciplinar do Câncer Colorretal. 2001. Disponível em: <https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/diagnostico-estadiamento-e-tratamento-cirurgico-e-multidisciplinar-do-cancer-colorreta.pdf>. Acesso em 20 Abr 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE- SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Câncer de Cólon e Reto. 2014. Disponível em: <http://conitec.gov.br/images/Artigos_Publicacoes/ddt_Colorretal__26092014.pdf>. Acesso em 20 Abr 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.


Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem