Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Chá de canela para descer a menstruação: funciona?

Apesar de ser popularmente conhecido que o chá de canela é capaz de estimular a menstruação, especialmente quando está atrasada, ainda não existem evidências científicas concretas de que isso seja verdade.

Os estudos realizados até o momento apenas mostram que o chá de canela preparado com a espécie Cinnamomum zeylanicum, que é a espécie mais consumida no mundo, pode ser eficientemente utilizado com o objetivo de aliviar as cólicas menstruais e de reduzir o fluxo menstrual. E por isso, até agora, não foram verificadas evidências de que atua no útero provocando a sua contração e favorecendo a menstruação.

Quanto a efeitos indesejados, o que se sabe é que o consumo em excesso desse tipo de canela pode ser prejudicial ao fígado, principalmente se for consumida na forma de óleo essencial, além de que, outras espécies de canela, se forem usadas também na forma de óleo essencial, têm potencial para provocar alterações no útero e resultar em aborto, por exemplo, mas esse efeito só acontece com o óleo essencial e ainda só foi observado em animais.

Chá de canela para descer a menstruação: funciona?

Como a canela afeta o ciclo menstrual

Apesar de ser popularmente conhecido que o chá de canela, quando consumido regularmente, ajuda a normalizar a menstruação atrasada, não existem evidências científicas que demonstrem o real impacto da canela no funcionamento do ciclo menstrual.

A única relação que parece existir entre a canela e o ciclo menstrual, segundo alguns estudos, é de que o chá de canela parece ajudar a diminuir os incômodos provocados pela menstruação, pois é capaz de reduzir os níveis de prostaglandinas, aumentar os níveis de endorfina e melhorar a circulação sanguínea, sendo, por isso, eficaz no alívio dos sintomas da TPM, principalmente as cólicas menstruais.

Além disso, foi verificado que o consumo do chá de canela, em quantidades ideais e recomendadas por um fitoterapeuta ou naturopata, possui efeito relaxante, diminuindo as contrações uterinas na dismenorreia e evitando as contrações durante a gravidez, além de ser capaz de diminuir o fluxo menstrual em mulheres que possuem o fluxo muito abundante.

Posso tomar chá de canela na gravidez?

Até o momento não foram verificadas contraindicações para as grávidas do consumo de chá de canela feito com Cinnamomum zeylanicum, no entanto quando feito com Cinnamomum camphora pode haver sangramentos e alterações uterinas. Além disso, em um estudo realizado com ratos, foi verificado que o óleo essencial de canela possui efeitos abortivos. No entanto, o efeito em ratos pode não ser necessariamente igual ao efeito nas pessoas, sendo, por isso, necessários mais estudos para que seja comprovado o potencial abortivo do óleo essencial de canela.

Devido ao fato de não existirem estudos científicos que indiquem a relação e possíveis consequências do consumo de chá de canela na gestação, a recomendação é a de que a grávida não consuma o chá de canela para evitar complicações. Conheça outros chás que a grávida não deve tomar.

Como fazer o chá de canela

O preparo do chá de canela é fácil e rápido e é uma ótima opção para melhorar a digestão e a sensação de bem-estar, já que devido às suas propriedades é capaz de melhorar o humor e diminuir a fadiga. Para preparar o chá de canela é preciso:

Ingredientes

  • 1 canela em pau;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo

Colocar um pau de canela em uma panela com água e deixar ferver durante cerca de 5 minutos. Depois, deve-se deixar amornar, retirar a canela e beber em seguida. Se a pessoa desejar, pode adoçar a gosto.

Mesmo que não existam comprovações científicas de que a canela ajuda a descer a menstruação, o seu uso com essa finalidade ainda é bastante popular. No entanto, para favorecer a menstruação, pode-se fazer uso de outros chás que são comprovados de que promovem alterações uterinas e que podem acelerar a menstruação, como o chá de gengibre por exemplo. Conheça outros chás que podem ajudar a descer a menstruação atrasada.

Conheça mais sobre a canela e seus benefícios no vídeo a seguir:

Bibliografia >

  • HAMMIDUDDIN, Aslam M. et al. Use of traditional herbs in pregnant and nursing mothers: a review of associated adverse drug reactions. Journal of Pharmaceutical and Scientific Innovation. Vol 5. 1 ed; 12-17, 2016
  • AHMED, Mansoor et al. Safety classification of herbal medicines used among pregnant women in Asian countries: a systematic review. Complementary and Alternative Medicine. 2017
  • SHINDE, Poonam; PATIL, Pankaj; BAIRAGI, Vinod. Herbs in pregnancy and lactation: a review appraisal. IJPSR. Vol 3. 9 ed; 3001-3006, 2012
  • MENDES, CARLEY. In the glow: what to avoid. Disponível em: <https://static1.squarespace.com/static/50c57e3be4b0f767138f3091/t/5ab556de6d2a7301c7059a6e/1521833708826/What+To+Avoid+.pdf>. Acesso em 03 Dez 2019
  • ROGAIYA, Mariyam et al. A Review on Herbs with Uterotonic Property. The Journal of Phytopharmacology. Vol 4. 3 ed; 190-196, 2015
  • BFR. High daily intakes of cinnamon: Health risk cannot be ruled out . 2006. Disponível em: <https://mobil.bfr.bund.de/cm/349/high_daily_intakes_of_cinnamon_health_risk_cannot_be_ruled_out.pdf>. Acesso em 03 Dez 2019
  • ALOTAIBI, Mohammed. The effect of cinnamon extract on isolated rat uterine strips. Reproductive Biology. Vol 16. 1 ed; 27-23, 2016
  • JAAFARPOUR, Molouk et al. The Effect of Cinnamon on Menstrual Bleeding and Systemic Symptoms With Primary Dysmenorrhea. Iran Red Crescent Med J. Vol 17. 4 ed; 27-32, 2015
  • JAAFARPOUR, Molouk et al. Comparative Effect of Cinnamon and Ibuprofen for Treatment of Primary Dysmenorrhea: A Randomized DoubleBlind Clinical Trial. Journal of Clinical and Diagnostic Research. Vol 9. 4 ed; 2015
  • KORT, Daniel H.; LOBO, Roger A. Preliminary evidence that cinnamon improves menstrual cyclicity in women with polycystic ovary syndrome: a randomized controlled trial. American Journal of Obstetrics & Gynecology. 2014
  • AKSU, Hilmiye; ÖZSOY, Sevgi. Primary Dysmenorrhea and Herbals. Journal of Healthcare Communications. Vol 1. 3 ed; 2016, 2016
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem