Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Olho tremendo: 9 principais causas (e o que fazer)

O tremor no olho é um termo usado pela maioria das pessoas para se referir à sensação de vibração na pálpebra do olho. Esta sensação é muito comum e normalmente acontece por causa do cansaço dos músculos do olho, sendo muito semelhante ao que acontece em uma câimbra em qualquer outro músculo do corpo.

Na maioria dos casos, o tremor dura um ou dois dias, mas existem casos em que isto ocorre por algumas semanas ou meses, tornando-se em um grande incômodo. Nestas situações, deve-se consultar um oftalmologista ou um clínico geral, pois também pode ser sinal de problemas de visão ou infecção.

Além disso, existem situações em que acontece o tremor somente do olho, e não das pálpebras. Quando acontece isto é chamado de nistagmo, que é mais difícil de identificar do que o tremor na pálpebra, e é verificado por um médico em um exame para diagnosticar problemas de saúde como labirintite, alterações neurológicas ou deficiências de vitaminas. Veja mais o que é o nistagmo, principais causas e tratamento.

Olho tremendo: 9 principais causas (e o que fazer)

9 principais causas de tremor na pálpebra

Embora o tremor seja causado pelo cansaço dos músculos do olho, existem várias causas que podem contribuir para essa situação, e que incluem:

1. Excesso de estresse

O estresse provoca várias alterações no organismo, especialmente no funcionamento dos músculos, devido à ação dos hormônios que são liberados. 

Desta forma, os músculos menores, como os das pálpebras, podem sofrer maior ação desses hormônios, movimentando-se involuntariamente.

O que fazer para parar: caso se esteja passando por um período de maior estresse, deve-se tentar fazer atividades relaxantes como sair com amigos, ver um filme ou fazer aulas de yoga, por exemplo, para ajudar a equilibrar a produção de hormônios e interromper os tremores.

2. Poucas horas de sono

Quando se dorme menos de 7 ou 8 horas por noite, os músculos dos olhos podem ficar bastante cansados, pois precisaram ficar funcionando durante várias horas seguidas sem descanso, aumentando também a liberação dos hormônios do estresse. Quando isso acontece, as pálpebras ficam mais fracas, começando a tremer sem razão aparente.

O que fazer para parar: é recomendado dormir, pelo menos, 7 horas em cada noite, criando um ambiente calmo e relaxante para permitir um sono mais reparador. Se está com dificuldade para pegar no sono, veja algumas estratégias naturais para dormir mais rápido e melhor.

3. Falta de vitaminas ou desidratação

A falta de algumas vitaminas essenciais, como a vitamina B12, ou minerais, como o potássio ou o magnésio, podem provocar espasmos involuntários dos músculos, incluindo as pálpebras. Além disso, a pouca ingestão de água também pode levar a desidratação, que enfraquece os músculos e pode causar os tremores.

Também vale lembrar que pessoas com mais de 65 anos ou que seguem uma dieta vegetariana têm maiores chances de ter falta de alguma vitamina essencial, podendo apresentar mais frequentemente tremores.

O que fazer para parar: aumentar a ingestão de alimentos com vitamina B, como peixe, carne, ovos ou laticínios, assim como tentar beber, pelo menos, 1,5 litros de água por dia. Confira outros sintomas que podem ajudar a confirmar a falta de vitamina B.

Olho tremendo: 9 principais causas (e o que fazer)

4. Problemas de visão

Os problemas de visão parecem bastante inofensivos, mas podem causar vários problemas no corpo como dores de cabeça, cansaço excessivo e tremores no olho. Isto acontece porque, os olhos trabalham em excesso para tentar focar o que se está olhando, ficando mais cansados que o habitual. Veja como avaliar sua visão em casa.

O que fazer para parar: no caso de se estar tendo dificuldade para ler algumas letras ou enxergar ao longe, por exemplo, é aconselhado ir no oftalmologista para identificar se realmente existe algum problema que precise ser tratado. Já pessoas que utilizam óculos, devem ir no oftalmologista caso já tenha passado mais de 1 ano desde a última consulta, pois pode ser preciso adequar o grau.

5. Olho seco

Após os 50 anos de idade, o olho seco é um problema muito comum que pode levar ao surgimento de tremores involuntários que acontecem numa tentativa de ajudar a hidratar o olho. No entanto, também existem outros fatores que podem contribuir para este problema além da idade, como ficar muitas horas seguidas em frente do computador, utilizar lentes de contato ou estar tomando anti-histamínicos, por exemplo.

O que fazer para parar: é aconselhado utilizar um colírio hidratante ao longo do dia para tentar manter o olho bem hidratado. Além disso, é importante descansar os olhos após 1 ou 2 horas em frente do computador, e evitar usar lentes de contato por mais de 8 horas seguidas. Veja que colírios hidratantes pode utilizar para tratar o olho seco.

6. Consumo de café ou álcool

Beber mais de 6 xícaras de café por dia, ou mais de 2 copos de vinho, por exemplo, pode aumentar as chances de ter tremores nas pálpebras, pois o organismo fica mais alerta e desidratado.

O que fazer para parar: tentar reduzir o consumo de álcool e café aos poucos e aumentar a ingestão de água. Veja outras técnicas que pode utilizar para trocar o café e ter energia.

7. Alergias

Pessoas que sofrem com alergias podem ter vários sintomas relacionados com os olhos, como vermelhidão, coceira ou produção excessiva de lágrimas, por exemplo. Porém, ao coçar os olhos, uma substância, conhecida como histamina, que é produzida em situações de alergia, pode chegar nas pálpebras, provocando a tremedeira. 

O que fazer para parar: é aconselhado fazer o tratamento com anti-histamínicos recomendados pelo clínico geral ou alergologista, assim como evitar, sempre que possível, o contato com a substância a que se é alérgico.

8. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos utilizados para tratar o enfisema, a asma e a epilepsia, como a teofilina, os agonistas beta-adrenérgicos, os corticoides e o valproato, podem causar tremor no olhos como efeito secundário.

O que fazer para parar: deve-se informar ao médico que receitou o medicamento, para avaliar a possibilidade de fazer alguma alteração na dose utilizada ou até trocar o medicamento, de forma a diminuir o surgimento desse efeito colateral.

9. Alterações do sistema nervoso

A principal alteração nervosa que pode causar o surgimento de tremor nos olhos é o blefarospasmo, que pode afetar ambos os olhos e produzir um movimento repetitivo das pálpebras.

Além disso, esta alteração também pode surgir em apenas um dos olhos, quando um vaso sanguíneo cria pressão sobre o nervo facial, causando um tremor, conhecido como espasmo hemifacial, que também pode acabar afetando os músculo do rosto.

O que fazer para parar: é recomendado consultar um oftalmologista ou um neurologista para identificar se realmente se trata de uma alteração nervosa e, assim, iniciar o tratamento mais adequado.

Quando ir ao médico

Na maioria dos casos, os olhos tremendo não são sinal de problemas graves e desaparecem em poucos dias. No entanto, é aconselhado consultar um oftalmologista ou um clínico geral quando:

  • Surgem outros sintomas como vermelhidão do olho ou inchaço da pálpebra;
  • A pálpebra fica mais caída que o normal;
  • As pálpebras fecham completamente durante os tremores;
  • O tremor dura mais de 1 semana;
  • O tremor afeta outras partes do rosto.

Nestes casos, o tremor pode estar sendo causado por uma infecção do olho ou problemas nos nervos que enervam o rosto, que devem ser identificados precocemente para facilitar o tratamento.

Bibliografia >

  • GENETICS HOME REFERENCE. Benign essential blepharospasm. Disponível em: <https://ghr.nlm.nih.gov/condition/benign-essential-blepharospasm#>. Acesso em 03 Dez 2019
  • NATIONAL ORGANIZATION FOR RARE DISORDERS. Benign Essential Blepharospasm. Disponível em: <https://rarediseases.org/rare-diseases/benign-essential-blepharospasm/>. Acesso em 03 Dez 2019
  • WÓJCIK-PEDZIWIATR, Magdalena et al. Eye Movement Abnormalities in Essential Tremor . Journal of Human Kinetics. Vol 52. 53-64, 2016

Perguntas frequentes relacionadas com o artigo

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem