Cloridrato de ciclobenzaprina: para que serve e como tomar

O cloridrato de ciclobenzaprina é um remédio que age causando relaxamento muscular por bloquear impulsos nervosos ou sensações de dor que são enviadas ao cérebro que causam contrações, espasmos ou dor muscular, sendo indicado para o tratamento de dor muscular causada por fibromialgia, torcicolo ou periartrite, por exemplo.

Esse remédio pode ser encontrado na forma de comprimidos de 5 ou 10 mg, com o nome comercial Miosan, na forma de genérico como cloridrato de ciclobenzaprina ou com os nomes similares Mitrul, Mirtax ou Musculare, por exemplo. Além disso, existe outra formulação que combina o cloridrato de ciclobenzaprina com a cafeína, que potencializa o efeito relaxante da ciclobenzaprina e pode ser encontrado com o nome comercial de Miosan Caf.

O cloridrato de ciclobenzaprina deve ser utilizado com indicação médica, somente por adultos, por um período máximo de 2 a 3 semanas de tratamento. Conheça outros relaxantes musculares que podem ser prescritos pelo médico.  

Cloridrato de ciclobenzaprina: para que serve e como tomar

Para que serve

O cloridrato de ciclobenzaprina é indicado para o tratamento da dor muscular relacionada a algumas doenças musculoesqueléticas como:

  • Torcicolo;
  • Fibromialgia;
  • Periartrite no ombro;
  • Dor na coluna lombar;
  • Dor que inicia do pescoço e irradia para o braço.

Esse remédio deve ser sempre indicado pelo médico avaliando as condições de saúde de forma individualizada.

Como usar

A forma de uso do cloridrato de ciclobenzaprina é 1 comprimido de 5 ou 10 mg, por via oral, de 2 a 4 vezes ao dia, conforme orientação do médico. A dose máxima da ciclobenzaprina é de 60 mg por dia e o tratamento não deve ultrapassar o período máximo de 3 semanas.

Os comprimidos devem ser tomados sem partir, sem mastigar, com um copo de água, antes ou após a alimentação, e geralmente tem um início de ação cerca de 1 hora após a administração.

No caso de se esquecer de tomar uma dose na hora certa, tomar assim que lembrar, mas se estiver perto do horário da próxima dose, deve-se pular a dose esquecida e aguardar o próximo horário de tomar. Não dobrar a dose para compensar a dose esquecida.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento com o cloridrato de ciclobenzaprina são sonolência, cansaço excessivo, tontura, boca seca, dor de cabeça, dor de estômago, náuseas ou prisão de ventre.

O cloridrato de ciclobenzaprina dá sono?

Um dos efeitos colaterais mais frequentes que pode ser causado por este medicamento é a sonolência, por isso, é provável que algumas pessoas que fazem o tratamento sintam sono. 

Por isso, deve-se ter precaução ou evitar atividades como dirigir, utilizar máquinas pesadas, realizar atividades perigosas e evitar o consumo de bebidas alcoólicas, pois o uso de álcool pode aumentar os efeitos de sonolência e também de tontura.

Quem não deve usar

O cloridrato de ciclobenzaprina não deve ser usado por crianças com menos de 15 anos, mulheres grávidas ou em amamentação, por pessoas com glaucoma, retenção urinária, hipertireoidismo, problemas cardíacos como infarto, insuficiência cardíaca congestiva, arritmias ou bloqueio cardíaco.

Além disso, o cloridrato de ciclobenzaprina não deve ser usado por pessoas que usam medicamentos antidepressivos, remédios para ansiedade ou inibidores da monoaminoxidase como isocarboxazida, linezolida, fenelzina ou selegilina, por exemplo. 

É importante informar ao médico e ao farmacêutico todos os medicamentos que são utilizados, incluindo suplementos ou plantas medicinais, para evitar aumento do efeito do cloridrato de ciclobenzaprina.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • DRUGS.COM. Cyclobenzaprine. Disponível em: <https://www.drugs.com/cyclobenzaprine.html>. Acesso em 19 Ago 2021
  • CHAFFEE, Donald M. C. Cyclobenzaprine in the Treatment of Low Back Pain. Am Fam Physician. 93. 3; 2016
  • BRASCHI, Emélie; et al. Cyclobenzaprine for acute back pain. Can Fam Physician. 61. 12; 1074, 2015
  • HAUSER, Winfried; et al. Management of fibromyalgia: practical guides from recent evidence-based guidelines. Pol Arch Intern Med. 127. 1; 47-56, 2017
  • SEE, Sharon; GINZBURG, Regina. Choosing a skeletal muscle relaxant. Am Fam Physician. 78. 3; 365-70, 2008
Mais sobre este assunto: