Clamídia: o que é, sintomas e como se pega

A clamídia é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que pode afetar tanto homens como mulheres. Na maioria dos casos a infecção é assintomática, no entanto é possível também notar alguns sintomas em alguns casos, como corrimento vaginal alterado ou queimação ao urinar, por exemplo.

A infecção pode aparecer após se ter contato sexual desprotegido e, por esse motivo, nos homens, é mais frequente que a infecção surja na uretra, no reto ou na garganta, enquanto na mulher os locais mais afetados são o colo do útero ou o reto.

A doença pode ser identificada apenas com a avaliação dos sintomas apresentados, mas também existem exames que ajudam a confirmar o diagnóstico. Assim, sempre que existir suspeita de ter contraído clamídia é muito importante ir no clínico geral ou em um infectologista, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado, que normalmente é feito com antibióticos.

Clamídia: o que é, sintomas e como se pega

Sintomas de clamídia

Os sintomas de clamídia podem surgir 1 a 3 semanas após a relação sexual desprotegida, no entanto mesmo que não existam sinais e sintomas aparentes, a pessoa pode transmitir a bactéria. Os principais sinais e sintomas de clamídia na mulher são:

  • Dor ou ardor ao urinar;
  • Corrimento vaginal, semelhante a pus;
  • Dor ou sangramento durante o contato íntimo;
  • Dor pélvica;
  • Sangramento fora do período menstrual.

No caso da infecção por clamídia na mulher não ser identificada, é possível que a bactéria se espalhe pelo útero e cause a Doença Inflamatória Pélvica (DIP), que é uma das principais causas de infertilidade e aborto na mulher. Conheça mais sobre a DIP.

Os sintomas de infecção no homem são semelhantes, podendo haver dor ou ardor ao urinar, saída de corrimento pelo pênis, dor e inchaço nos testículos e inflamação da uretra. Além disso, caso não seja tratada, a bactéria pode provocar orquite, que é a inflamação dos testículos, podendo interferir na produção de espermatozoides. Veja mais detalhes sobre a orquite.

Causa de clamídia

A clamídia é uma doença infecciosa causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que pode ser transmitida através da relação sexual sem camisinha, seja ela oral, vaginal ou retal. Dessa forma, pessoas que têm vários parceiros sexuais, apresentam maior risco de ter a doença.

Além disso, a clamídia também pode passar de mãe para filho durante o parto, quando a grávida tem a infecção e não fez o tratamento adequado.

Riscos da clamídia na gravidez

A infecção por clamídia durante a gravidez pode levar ao parto prematuro, baixo peso ao nascer, morte do feto e endometrite. Como esta doença pode passar para o bebê durante o parto normal é importante realizar exames que possam diagnosticar essa doença durante o pré-natal e seguir o tratamento indicado pelo obstetra.

O bebê afetado durante o parto pode ter complicações como conjuntivite ou pneumonia por clamídia e estas doenças também podem ser tratadas com antibióticos indicados pelo pediatra.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da clamídia é feito pelo urologista ou ginecologista a partir da observação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa. No entanto, para confirmar a infecção, são normalmente solicitados exames laboratoriais, principalmente a análise da secreção vaginal ou peniana e o exame de urina, para identificar a presença da bactéria.

Uma vez que a clamídia não causa sintomas em alguns casos, é aconselhado que pessoas com mais de 25 anos, com uma vida sexual ativa e com mais de 1 parceiro façam exame para IST regularmente e que as mulheres façam o exame preventivo pelo menos 1 vez ao ano ou de acordo com a orientação do ginecologista.

Após engravidar, também é aconselhado fazer o exame para a clamídia e outras infecções, para verificar se há alguma infecção no momento e, assim, ser possível iniciar o tratamento logo em seguida para diminuir a chance de transmitir para o bebê durante a gestação ou parto.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a clamídia é feito com o uso de antibióticos receitados pelo médico, como a Azitromicina em dose única ou Doxiciclina durante 7 dias, ou conforme indicado pelo médico. É recomendado manter o tratamento mesmo que não existam mais sinais e sintomas aparentes, pois assim é possível garantir que houve a eliminação da bactéria.

É importante que o tratamento seja feito tanto pela pessoa portadora da bactéria quanto pelo parceiro sexual, mesmo que o contato sexual tenha sido feito com preservativo. Além disso, é recomendado que não se tenha relação sexual durante o tratamento para evitar reincidência da infecção. Veja mais detalhes sobre o tratamento da clamídia.

Com o tratamento adequado é possível erradicar completamente a bactéria, mas se surgirem outras complicações como a doença inflamatória pélvica ou infertilidade, elas podem ser permanentes.

Clamídia tem cura?

A clamídia pode ser facilmente curada com o uso de antibióticos por 7 dias. No entanto, para garantir a cura, durante esse período é aconselhado que se evite o contato íntimo desprotegido.

Mesmo em pessoas com HIV, a infecção pode ser curada da mesma forma, não existindo necessidade de outro tipo de tratamento ou internamento.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • CLAMÍDIA. Boston Public Health Commission. 2017. Disponível em: <https://bphc.org/whatwedo/infectious-diseases/Infectious-Diseases-A-to-Z/Documents/Fact%20Sheet%20Languages/Chlamydia/Portuguese.pdf>. Acesso em 28 Out 2021
  • UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Chlamydia trachomatis: a epidemia silenciosa. Disponível em: <http://www.dst.uff.br/arquivos-pdf/clamidia.pdf>. Acesso em 28 Out 2021
Mais sobre este assunto: