Fenda palatina: o que é, causas e tratamento

A fenda palatina é uma malformação congênita em que o céu da boca não fecha corretamente, sendo notada uma abertura, o que pode interferir na alimentação e fala do bebê, podendo trazer complicações como desnutrição, anemia, pneumonia aspirativa e, até, infecções frequentes.

Em alguns casos, a fenda palatina pode ser acompanhada pelo lábio leporino, em que há também uma abertura nos lábios e que pode chegar até o nariz, sendo então denominada fenda labiopalatina. Saiba mais sobre o lábio leporino.

Assim, a partir do momento em que é identificada a fenda palatina ou a fenda labiopalatina, é importante que seja iniciado o tratamento, que consiste em realizar uma cirurgia para fechar o céu da boca e o lábio do bebê, no caso da fenda labiopalatina, pois assim é possível evitar complicações. O bebê se recupera completamente em poucas semanas após a operação, ficando sem complicações no crescimento dos dentes e na alimentação.

Fenda palatina: o que é, causas e tratamento

Causas de fenda palatina

A fenda palatina surge devido a uma má formação fetal que ocorre quando os dois lados do rosto se unem, por volta das 16 semanas de gestação. As causas não são totalmente conhecidas, no entanto acredita-se que alguns fatores podem aumentar a chance do bebê ter a fenda palatina, como:

  • Uso de antibióticos, anticonvulsivantes, antifúngicos ou broncodilatadores durante a gestação sem a recomendação médica;
  • Consumo de drogas ilícitas e/ou álcool e tabagismo durante a gestação;
  • Deficiências nutricionais durante a gravidez;
  • Ausência de suplementação de ácido fólico na gravidez, quando havia indicação;
  • Diabetes não controlada na gravidez.

No entanto, uma mulher saudável e que realizou o pré-natal adequadamente também pode ter um bebê com este tipo de fissura no céu da boca e, por isso, a fenda palatina pode também estar relacionada com fatores genéticos.

Como é o diagnóstico

A identificação da fenda palatina pode ser feita ainda durante a gravidez por meio da ultrassonografia morfológica no segundo trimestre de gestação, a partir da 14ª semana, por meio do ultrassom 3D ou no momento do nascimento. Após o nascimento, a criança precisa ser acompanhada pelo pediatra, otorrinolaringologista e dentista porque a fenda palatina pode comprometer o nascimento dos dentinhos e a alimentação.

Normalmente, após a identificação da fenda palatina, o médico realiza a investigação da Síndrome de Patau, pois é comum que as crianças com a fenda palatina ou a fenda labiopalatina também sejam portadoras dessa síndrome. Conheça mais sobre a síndrome de Patau.

Tratamento para fenda palatina

O tratamento para fenda palatina é feita por meio da realização de cirurgia, que tem como objetivo fechar o céu da boca. A cirurgia para corrigir a fenda no palato mole deve ser feita entre 3 e 6 meses de idade, enquanto que a do palato duro deve ser feita entre 15 e 18 meses de idade.

A cirurgia é rápida e relativamente simples e consegue alcançar ótimos resultados. Para que o cirurgião plástico possa realizar a cirurgia é necessário que o bebê tenha mais de 3 meses de vida e não tenha anemia, além de estar bem de saúde. Veja mais detalhes da cirurgia para fenda palatina.

Cuidados com o bebê antes da cirurgia

Antes da cirurgia os pais devem ter alguns cuidados importantes como:

  • Sempre cobrir o nariz do bebê com uma fralda para esquentar um pouco o ar que o bebê respira porque assim há menos risco de gripes e resfriados que são muito comuns nessas crianças;
  • Sempre limpar a boca do bebê com um fralda limpa molhada com soro fisiológico, para remover os restos de leite e de comida depois dele comer. Caso necessário pode-se usar ainda cotonetes para limpar a fenda no céu da boca;
  • Levar o bebê para uma consulta com um dentista antes dos 4 meses de idade, para avaliar a saúde bucal e quando devem nascer os primeiros dentinhos;
  • Garantir que o bebê se alimenta bem para evitar que tenha baixo peso ou anemia, que irão impedir a cirurgia na boca.

Além disso, é importante manter o nariz do bebê sempre limpo, usando soro fisiológico para remover sujeira e secreções, pelo menos, 1 vez ao dia.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MONLLEÓ, ISABELLA L.; MENDES, LÍVIA G. A.; LOPES, VERA LÚCIA G. S. Manual de cuidados de saúde e alimentação da criança com fenda oral. 2014. Disponível em: <https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/paganex/manual_fof_final.pdf>. Acesso em 15 Set 2021
  • SHIBUKAWA, Bianca M. C; RISSI, Gabrieli P.; HIGARASHI, Ieda H.; OLIVEIRA, Rosana R. Fatores associados à presença de fissura labial e/ou fenda palatina em recémnascidos brasileiros. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. Vol 19. 4 ed; 957-966, 2019
Mais sobre este assunto: