9 alimentos que não deve comer na amamentação

A alimentação da mãe é um fator muito importante que altera a composição do leite materno. Por isso, durante a amamentação, é recomendado ter alguns cuidados com a dieta, especialmente para evitar que algumas substâncias sejam passadas para o bebê através do leite ou que o sabor do leite seja alterado, dificultando o processo de amamentação.

Alguns exemplos de alimentos que devem ser evitados são os alimentos com sabor muito intenso, como alho ou aspargos, assim como os alimentos que contêm cafeína, como o chocolate, o café ou o chá preto. Além disso, o consumo de chás também deve ser feito com cuidado, já que várias plantas podem provocar efeitos colaterais na mãe e no bebê. Confira os chás seguros durante a amamentação e quais deve evitar.

Alguns estudos também indicam que o surgimento de cólicas no bebê pode, algumas vezes, estar relacionado com a alimentação da mãe, especialmente devido ao consumo de alimentos como leite e derivados, amendoim e camarão, que podem produzir substâncias que são liberadas no leite materno e acabam irritando o intestino do bebê, provocando as cólicas. Entenda como deve ser a alimentação da mãe para evitar cólicas no bebê.

9 alimentos que não deve comer na amamentação

Os alimentos que devem ser evitados durante o período de amamentação são:

1. Álcool

O álcool passa rapidamente para o leite materno, de modo que após 30 a 60 minutos, o leite possui a mesma quantidade de álcool que o organismo. 

A presença do álcool no leite materno pode afetar o sistema nervoso do bebê causando sonolência e irritabilidade, comprometer o seu desenvolvimento neurológico e psicomotor e até mesmo causar atraso ou dificuldade para aprender a falar e a caminhar. Além disso, o organismo do bebê não elimina tão facilmente o álcool do organismo como acontece em adultos, o que pode causar intoxicação no fígado.

As bebidas alcoólicas também podem diminuir a produção do leite materno e reduzir a absorção de nutrientes no intestino da mãe que são necessários para o crescimento e desenvolvimento do bebê. Por isso, deve-se evitar ao máximo consumir álcool durante a amamentação.

Caso a mulher deseje ingerir bebida alcoólica, é recomendado tirar o leite antes e armazenar para dar ao bebê. No entanto, se não fizer isto, e beber pequenas quantidades de álcool, como 1 copo de cerveja ou 1 taça de vinho, por exemplo, deve-se esperar em torno de 2 a 3 horas para amamentar novamente.

2. Cafeína

Os alimentos ricos em cafeína, como café, refrigerantes de cola, energéticos, chá verde, chá mate e chá preto devem ser evitados ou consumidos em pequenas quantidades durante a amamentação, isto porque o bebê não consegue digerir a cafeína tão bem quanto os adultos, e o excesso de cafeína no corpo do bebê, pode causar dificuldade para dormir e irritação. 

Quando a mulher ingere grandes quantidades de cafeína, o que corresponde a mais de 2 xícaras de café por dia, os níveis de ferro no leite podem diminuir e, assim, diminuir os níveis de hemoglobina do bebê, podendo causar anemia. 

A recomendação é tomar no máximo duas xícaras de café por dia, o que equivale a 200 mg de cafeína, ou também pode-se optar pelo café descafeinado.

3. Chocolate

O chocolate é rico em teobromina que tem um efeito semelhante ao da cafeína e alguns estudos mostram que 113 g de chocolate tem aproximadamente 240 mg de teobromina e pode ser detectada no leite materno 2 horas e meia após sua ingestão, podendo causar irritação no bebê e dificuldade para dormir. Por isso, deve-se evitar comer grandes quantidades de chocolate ou comer todos os dias. No entanto, pode-se consumir um quadradinho de 28 g de chocolate, que corresponde a aproximadamente 6 mg de teobromina, e não causa problemas no bebê.

4. Alimentos de sabor intenso

Os alimentos de sabor intenso, como o alho, os aspargos ou a cebola, ou os condimentos mais fortes podem causar alteração do sabor e do cheiro do leite materno, principalmente quando consumidos diariamente ou em grandes quantidades. Isso pode fazer com que o bebê rejeite o leite materno, dificultando o processo de amamentação.

5. Alimentos processados

Os alimentos processados ​​são geralmente ricos em calorias mas pobres em nutrientes como fibras, vitaminas e minerais, o que pode prejudicar a produção e a qualidade do leite materno. Por isso, é recomendado limitar sua ingestão o máximo possível e dar preferência a alimentos frescos e naturais, fazendo uma dieta balanceada para fornecer todos os nutrientes necessários para a saúde da mulher e a produção de leite de qualidade para o bebê.

Esses alimentos incluem salsichas, batatas fritas e salgadinhos, frutas em calda ou cristalizadas, bolachas e biscoitos recheados, refrigerantes, pizzas, lasanhas e hambúrgueres, por exemplo.

6. Alimentos crus

Os alimentos crus como os peixes crus usados na culinária japonesa, ostras ou leite não pasteurizado, por exemplo, são uma fonte potencial de intoxicação alimentar, o que pode causar infecção gastrointestinal para a mulher com sintomas de diarreia ou vômito, por exemplo. 

Apesar de não causar nenhum problema ao bebê, a intoxicação alimentar pode causar desidratação na mulher, prejudicando a produção de leite. Por isso, deve-se evitar os alimentos crus ou consumi-los apenas em restaurantes de confiança.

7. Alguns tipos de chá

Alguns tipos de chá podem afetar a produção de leite ou causar efeitos colaterais no bebê, como é o caso da erva-cidreira, orégano, salsa, hortelã-pimenta, ginseng, kava-kava ou anis-estrelado, por exemplo. Assim devem ser evitados sempre que possível ou consumidos apenas sob orientação de um médico.

Confira uma lista dos chás que devem ser evitados na amamentação e outros que são considerados seguros.

8. Alimentos que causam alergia

Algumas mulheres podem ter alergia a certos alimentos e o bebê também pode desenvolver alergia aos alimentos que a mãe ingere durante a amamentação.

É importante que a mulher esteja atenta principalmente ao consumir algum dos seguintes alimentos:

  • Leite e derivados;
  • Soja;
  • Farinha de trigo;
  • Ovos;
  • Frutos secos, amendoim e castanha;
  • Milho e xarope de milho, sendo este último muito encontrado com ingrediente de produtos industrializados, podendo ser identificado no rótulo.

Esses alimentos tendem a causar mais alergia e podem provocar sintomas no bebê como vermelhidão na pele, coceira, eczema, prisão de ventre ou diarreia, por isso é importante observar o que foi consumido de 6 a 8 horas antes de amamentar o bebê e a presença dos sintomas.

Caso suspeitar que qualquer um desses alimentos esteja causando alergia, deve-se eliminá-lo da dieta e levar o bebê ao pediatra para avaliação, já que existem diversos motivos que podem causar alergia na pele do bebê além dos alimentos.

9. Aspartame

O aspartame é um adoçante artificial que quando consumido é rapidamente decomposto no corpo da mulher formando a fenilalanina, um tipo de aminoácido, que pode passar para o leite materno, e por isso, seu consumo deve ser evitado principalmente nos casos em que o bebê tem uma doença chamada fenilcetonúria, que pode ser detectada logo após o nascimento através do teste do pezinho. Saiba o que é a fenilcetonúria e como é feito o tratamento.

A melhor forma para substituir o açúcar é usar um adoçante natural proveniente de uma planta chamada estévia, sendo o seu consumo permitido em todas as fases da vida. 

O que comer

Para obter todos os nutrientes que o corpo necessita durante a amamentação, é importante fazer uma dieta balanceada que contenha proteínas como carne magra, frango sem pele, peixe, sementes e leguminosas, carboidratos como pão integral, arroz e batatas cozidas, e gorduras boas como azeite de oliva extravirgem.

Veja todos os alimentos que podem ser consumidos na amamentação, com sugestão de cardápio.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • JEONG, Goun; et al. Maternal food restrictions during breastfeeding. Korean J Pediatr. 60. 3; 70–76, 2017
  • GIGLIA, Roslyn; BINNS, Colin. Alcohol and lactation: A systematic review. Nutrition & Dietetics. 63. 2; 103-116, 2006
  • BOSE-O’REILLY, Stephan; et al. Mercury Exposure and Children’s Health. Curr Probl Pediatr Adolesc Health Care. 40. 8; 186–215, 2010
  • THORLTON, Janet; et al. Energy Drinks: Implications for the Breastfeeding Mother. MCN Am J Matern Child Nurs. 41. 3; 179-185, 2016
  • DRUGS.COM. Aspartame use while Breastfeeding Information from Drugs.com. Disponível em: <https://www.drugs.com/breastfeeding/aspartame.html>. Acesso em 27 Jan 2021
  • CENTER FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Breastfeeding. Disponível em: <https://www.cdc.gov/breastfeeding/breastfeeding-special-circumstances/diet-and-micronutrients/maternal-diet.html>. Acesso em 26 Jan 2021
  • NHS. Breastfeeding and diet. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/baby/breastfeeding-and-bottle-feeding/breastfeeding-and-lifestyle/diet/>. Acesso em 26 Jan 2021
  • U.S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE: DRUGS AND LACTATION DATABASE (LACTMED). Chocolate. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK532500/>. Acesso em 26 Jan 2021
  • U.S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE: DRUGS AND LACTATION DATABASE (LACTMED). Caffeine. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK501467/>. Acesso em 26 Jan 2021
  • U.S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE: DRUGS AND LACTATION DATABASE (LACTMED). Alcohol. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK501469/>. Acesso em 26 Jan 2021
Mais sobre este assunto: