Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

O que é teste de Schiller positivo e negativo e quando fazer

O teste de Schiller é um exame de diagnóstico que consiste na aplicação de uma solução com iodo, o Lugol, na região interna da vagina e no colo do útero e tem como objetivo verificar a integridade das células dessa região.

Quando a solução reage com as células presentes na vagina e no colo do útero e ficam marrons, diz-se que o resultado está normal, no entanto quando não consegue colorir uma área específica, é sinal de que há alteração, sendo necessária a realização de exames mais específicos.

Normalmente, o teste de Schiller é realizado durante a colposcopia, sendo, por isso, indicado para mulheres sexualmente ativas ou que tiveram resultados alterados no exame preventivo, o Papanicolau.

O que é teste de Schiller positivo e negativo e quando fazer

Quando fazer o teste de Schiller

O teste de Schiller é indicado pelo ginecologista para as mulheres sexualmente ativas como exame de rotina, nas que apresentem algum sintoma como dor, corrimento ou sangramento após as relações sexuais ou que tiveram resultados alterados no exame de papanicolau, também conhecido como exame preventivo.

Além disso, o médico pode solicitar o exame quando há suspeita de alguma doença ginecológica, como HPV, sífilis, inflamação vaginal ou câncer de colo de útero. Nesses casos, além da realização do teste de Schiller, pode ser necessária a realização de exames complementares, como biópsia, ultrassonografia transvaginal e colposcopia, por exemplo. Conheça mais sobre os exames que podem ser solicitados pelo ginecologista.

Teste de Schiller positivo

O teste de Schiller é dito positivo quando após a colocação do lugol, nem todo o lugol é absorvido pelo tecido, podendo ser visualizadas áreas amareladas no colo de útero, o que indica que há alteração nas células, podendo sugerir a presença de alterações benignas ou malignas, como:

  • DIU mal colocado;
  • Inflamações vaginais;
  • Sífilis;
  • Infecção pelo HPV
  • Câncer de colo de útero.

No entanto, o teste de Schiller pode dar um resultado falso positivo, e por isso o papanicolau geralmente é solicitado no seu lugar, como forma de investigação do câncer de colo do útero, por conferir resultados mais claros e concretos. Além disso, para confirmar a positividade do teste de Schiller e identificar a causa da alteração, o médico pode solicitar a realização de uma biópsia para que sejam visualizadas características do tecido e das células.

Outro exame semelhante a este é o teste do ácido acético onde se utiliza o mesmo princípio de coloração da vagina e colo do útero, sendo que nesse caso a região deve ficar esbranquiçada. Nos locais onde o branco se mostra mais evidente há sinais de alterações celulares. Esse teste é particularmente indicado para as mulheres que possuem alergia ao iodo, e, assim, não podem fazer o teste de Schiller. 

Teste de Schiller negativo

O teste de Schiller é dito negativo quando após a coloração com o lugol, toda a mucosa vaginal e o colo do útero ficou corado, não sendo observadas regiões amareladas, o que indica que não há alterações na região genital da mulher, ou seja, está normal.

Bibliografia >

  • NÚCLEO DE TELESSAÚDE RIO GRANDE DO SUL. Em que casos são indicados realizar o Teste de Schiller?. 2008. Disponível em: <http://aps.bvs.br/aps/em-que-casos-sao-indicados-realizar-o-teste-de-schiller/?post_type=aps&l=pt_BR>. Acesso em 19 Mar 2019
  • NÚCLEO DE TELESSAÚDE SANTA CATARINA. Qual a recomendação sobre o teste de Schiller para rastreamento de lesão precursora de câncer de colo de útero?. 2016. Disponível em: <http://aps.bvs.br/aps/qual-a-recomendacao-sobre-realizacao-do-teste-de-schiller-para-rastreamento-de-lesao-precursora-de-cancer-de-colo-de-utero/?post_type=aps&l=pt_BR>. Acesso em 19 Mar 2019
  • RAMARAJU H.E. Use of Schiller’s test versus Pap smear to increase detection rate of cervical dysplasias . International Journal of Reproduction, Contraception, Obstetrics and Gynecology. 5. 5; 1446-1450, 2016
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem