Vitaminas: o que são, para que servem e classificação

As vitaminas são substâncias orgânicas que o corpo necessita em pequenas quantidades, que são indispensáveis ao funcionamento do organismo, já que são essenciais para manter o sistema imunológico saudável, garantir o funcionamento correto do metabolismo e promover o crescimento.

Devido à sua importância na regulação de processos metabólicos, quando são ingeridas em quantidade insuficiente ou quando o organismo apresenta alguma carência vitamínica, isso pode trazer sérios riscos para a saúde, como problemas de visão, musculares ou neurológicos.

Como o organismo é incapaz de sintetizar vitaminas, é importante que sejam ingeridas através da alimentação, sendo muito importante fazer uma dieta equilibrada, rica em legumes e fontes de proteína variadas.

Vitaminas: o que são, para que servem e classificação

Para que servem

As vitaminas possuem várias funções no corpo e, apesar de não fornecerem energia, estão envolvidas nos processos básicos do funcionamento do corpo e, por isso, é importante que seja consumida em quantidades ideais. Dentre as principais funções das vitaminas estão:

  • Promover o funcionamento adequado dos músculos;
  • Favorecer o crescimento adequado da pele, cabelo e unhas;
  • Garantir o bom funcionamento do sistema nervoso e do sistema imunológico;
  • Prevenir doenças, principalmente anemia;
  • Promover o crescimento adequado.

O consumo adequado de vitaminas é fundamental para o bom funcionamento do organismo e para a prevenção de doenças e, por isso, é importante consultar o nutricionista para que seja orientada a quantidade e os alimentos ricos em vitamina que devem ser consumidos no dia a dia.

Tipos de vitaminas

As vitaminas podem ser classificadas em lipossolúveis e hidrossolúveis, de acordo com a sua solubilidade em gordura ou em água, respectivamente.

1. Vitaminas lipossolúveis

As vitaminas lipossolúveis são mais estáveis e resistentes aos efeitos da oxidação, calor, luz, acidez e alcalinidade, em relação às hidrossolúveis. As suas funções, fontes alimentares e consequências da sua carência, estão listadas na tabela seguinte:

Vitamina

FunçõesFontesConsequências da deficiência
A (retinol)

Manutenção de uma visão saudável

Diferenciação das células epiteliais

Fígado, gema de ovo, leite, cenouras, batata doce, abóbora, damasco, melão, espinafres e brócolis

Cegueira ou cegueira noturna, irritação da garganta, sinusite, abscessos nos ouvidos e na boca, secura das pálpebras
D (ergocalciferol e colecalciferol)

Aumenta a absorção intestinal de cálcio

Estimula a produção de células ósseas

Diminui a excreção de cálcio na urina

Leite, óleo de fígado de bacalhau, arenque, sardinha e salmão

Luz solar (responsável pela ativação da vitamina D)

Joelho varo, joelho valgo, deformações do crânio, tetania em lactentes, fragilidade dos ossos

E (tocoferol)

Antioxidante

Óleos vegetais, cereais integrais, verduras de folha verde e nozesProblemas neurológicos e anemia em bebês prematuros
K

Contribui para a formação de fatores de coagulação

Auxilia a vitamina D a sintetizar uma proteína reguladora nos ossos

Brócolis, couve de Bruxelas, repolho e espinafresProlongamento do tempo de coagulação

2. Vitaminas hidrossolúveis

As vitaminas hidrossolúveis têm a capacidade de se dissolver em água e são menos estáveis que as lipossolúveis. Na tabela a seguir, estão listadas as vitaminas hidrossolúveis, as suas fontes alimentares e as consequências da deficiência nessas vitaminas:

VitaminaFunçõesFontesConsequências da deficiência
C (ácido ascórbico)

Formação de colágeno

Antioxidante

Absorção de ferro

Fruta e sumos de fruta, brócolis, couve de Bruxelas, pimento verde e vermelho, melão, morango, kiwi e papaiaSangramento das mucosas, cicatrização inadequada de feridas, amolecimento das extremidades dos ossos e enfraquecimento e perda de dentes
B1 (tiamina)Metabolismo de carboidratos e aminoácidosCarne de porco, feijão, gérmen de trigo e cereais fortificadosAnorexia, perda de peso, fraqueza muscular, neuropatia periférica, insuficiência cardíaca e encefalopatia de Wernicke
B2 (riboflavina)Metabolismo das proteínasLeite e derivados, ovos, carnes (em especial de fígado) e cereais fortificadosLesões nos lábios e boca, dermatite seborreica e anemia normocrômica normocítica
B3 (niacina)

Produção de energia

Síntese de ácidos graxos e hormônios esteroides

Peito de frango, fígado, atum, outras carnes, peixe e aves, grãos inteiros, café e cháDermatite bilateral simétrica na cara, pescoço, mãos e pés, diarreia e demência
B6 (piridoxina)Metabolismo de aminoácidosCarne de vaca, salmão, peito de frango, grãos inteiros, cereais fortificados, banana e nozesLesões na boca, sonolência, fadiga, anemia hipocrômica microcítica e convulsões em revém-nascidos
B9 (ácido fólico)

Formação de DNA

Formação de células do sangue, do intestino e do tecido fetal

Fígado, feijão, lentilha, gérmen de trigo, amendoim, espargos, alface, couve de Bruxelas, brócolis e espinafresFadiga, fraqueza, falta de ar, palpitações e anemia megaloblástica
B12 (cianocobalamina)

Síntese de DNA e RNA

Metabolismo de aminoácidos e ácidos graxos

Síntese e manutenção da mielina

Carne, peixe, aves, leite, queijo, ovos, levedura nutricional, leite de soja e tofu fortificadosFadiga, palidez, falta de ar, palpitações, anemia megaloblástica, perda de sensibilidade e formigamento das extremidades, anomalias na locomoção, perda de memória e demência

Além da ingestão de alimentos ricos em vitaminas, também se pode ingerir suplementos alimentares que geralmente contêm as doses diárias recomendadas de vitaminas e minerais essenciais ao bom funcionamento do organismo, sendo importante que sejam indicadas pelo nutricionista.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • LUTZ, Carroll; PRZYTULSKI, Karen. Nutrición y dietoterapia. 5. Filadélfia: Mc Graw Hill, 2011. 90 - 103.
  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 453-477.
Mais sobre este assunto: